menu

Dívida histórica e justiça social. Transformando a ordem de prioridades nas bibliotecas e seu lugar no mundo

Autor
Coordinación Comunicaciones
Fecha
21 September, 2022

Etiquetas

“Dívida histórica e justiça social. Transformando a ordem de prioridades nas bibliotecas e seu lugar no mundo” foi o nome da apresentação feita por Jeimy Hernández, gerente de Leitura e Bibliotecas do Cerlalc, durante o octogésimo sétimo Congresso Mundial de Bibliotecas e Informação (WLIC por sua sigla em inglês), que aconteceu entre os dias 26 e 29 de julho de 2022 em Dublin, na Irlanda.

Sua apresentação foi feita durante a sessão 119, intitulado «Bibliotecas e desigualdade. O papel da cooperação regional na construção de sociedades justas e sustentáveis«, em que Gloria Pérez Salmerón, diretora da Stichting IFLA Global Libraries, também participou como palestrante; Loaida García, consultora internacional de bibliotecas; e Isela Mo Amavet, gerente da IFLA LAC. Este espaço teve como objetivo promover e orientar ações de defesa que visam destacar o lugar das bibliotecas em relação à mitigação da desigualdade e do progresso para o desenvolvimento sustentável, na perspectiva da cooperação regional.

A apresentação de Jeimy Hernández começou com uma abordagem geral do contexto global e regional em termos de direitos humanos e desigualdade, e para algumas das principais questões sociais, culturais e educacionais que marcam o panorama atual. Entre essas questões, foram abordados a pandemia Covid-19 e seus efeitos no aprofundamento das desigualdades. Nesse sentido, Hernández enfatizou que a América Latina e o Caribe já eram a região mais desigual do mundo antes da pandemia e, da mesma forma, as mais vulneráveis a ela, razão pela qual uma resposta imediata e abrangente é necessária para mitigar esses efeitos adversos e garantir que toda a população possa acessar efetivamente seus direitos.

Posteriormente, falou sobre as transformações e desafios que determinam o campo de atuação das bibliotecas hoje, especialmente em relação ao desenvolvimento e crescente importância do ecossistema digital em diversas áreas da vida social e individual. No discurso, ele destacou alguns dados que explicam o protagonismo que o ambiente digital ocupa atualmente na dinâmica da comunicação, acesso e produção de informações e conhecimentos:

  • Hoje existem mais linhas móveis ativas do que habitantes no mundo: para cada 100 pessoas, existem cerca de 105 linhas ativas. (União Internacional de Telecomunicações (UIT) (2020). UIT Facts and Figures 2020)
  • 93% da população mundial tem acesso a uma conexão de banda larga móvel.
  • A alfabetização digital continua sendo uma barreira ao acesso à internet, com menos de 40% da população relatando ter habilidades digitais básicas. (ibid)
  • Na América Latina, os títulos em formato digital passaram de 58.299 em 2019 para 85.914 em 2020, o que representa um aumento de 47,37%. (Cerlalc 2021. Espaço Ibero-Americano do Livro 2020)
  • A pandemia gerou um crescimento exponencial na leitura digital: a leitura de livros digitais em espanhol cresceu 37% no mundo inteiro. (Libranda 2022. Relatório Anual do Livro Digital 2021)

Considerando essas transformações, Hernández enfatizou que o principal desafio para a participação democrática na sociedade da informação e do conhecimento é o fato de que, no mundo de hoje, alfabetizar não é mais apenas ensinar a ler e escrever. Diferentes fatores como as novas dinâmicas de comunicação e relacionamento, a multiplicidade de suportes, formatos, linguagens e práticas, as transformações nos processos de aprendizagem e participação social, bem como a diversidade do atual ambiente midiático e informacional, entre outros , tornam necessária a implementação de estratégias que garantam a todos os setores da população as condições de acesso e uso significativo desses recursos, bem como a aquisição de competências que lhes permitam desenvolver-se como leitores autónomos, produtores de conhecimento e usuários responsáveis e críticos da informação.

Da mesma forma, uma das ideias centrais desenvolvidas pela gestora de Leitura, Escrita e Bibliotecas do Cerlalc foi a da biblioteca como projeto político-pedagógico, com papel e responsabilidade muito importante na superação das iniquidades e no desenvolvimento de propostas que contribuam à transformação social e à melhoria das condições de vida das pessoas. Nessa perspectiva, as bibliotecas devem se posicionar ativamente contra os fenômenos que levam à violação dos direitos dos cidadãos, promover a justiça social e consolidar-se como um cenário chave para a participação democrática, onde as comunidades, e particularmente aquelas com maior risco de exclusão, encontram recursos,  ferramentas e espaços para alcançar seu desenvolvimento e bem-estar.

Para concluir seu discurso, apresentou a Agenda de prioridades para o desenvolvimento das bibliotecas e a promoção da leitura, escrita e oralidade na Ibero-América. Essa agenda é resultado de um processo de ordenamento estratégico liderado pelo Cerlalc em 2021, do qual participaram mais de 5.600 pessoas de toda a região. Seu objetivo é mapear prioridades e fornecer um quadro norteador para políticas e programas de leitura e sistemas de bibliotecas na região, para que contribuam significativamente para a redução das desigualdades e o progresso dos países ibero-americanos para o cumprimento da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.

Jeimy Hernández, além de participar como palestrante dentro do programa acadêmico do Congresso, participou do caucus destinado aos participantes de língua espanhola do evento. Neste caucus, foi possível reconhecer e identificar algumas ações necessárias para potencializar a participação da região na IFLA e em espaços como o WLIC, bem como alguns desafios em termos de cooperação regional.Convidamos você a reviver as sessões online do WLIC disponíveis em seu canal no YouTube entrando aqui.